Dicas para conservar o relacionamento

Encontrar o amor da nossa vida é dos momentos mais especiais por que podemos passar. No entanto, com a sua chegada vem também o medo de perder alguém que amamos muito. 

Um relacionamento precisa de ser cuidado, estimado. Quando não nos esforçamos em manter a relação saudável, corremos o risco de pôr tudo a perder.

Por isso mesmo, aqui tem dicas óptimas para conservar o seu relacionamento. Anote!

10 dicas para conservar o seu relacionamento

Os relacionamentos não se fortalecem por si mesmos. De facto, é preciso muita dedicação para manter uma relação, duradoura e saudável. Claro que este não é um caminho fácil ou intuitivo. No entanto, com esforço e dedicação tudo se torna bem mais simples. Por isso, anote!

1 – Aceite os defeitos e virtudes

Todos nós temos virtudes e deifeitos. Afinal, somos humanos, e por isso não somos perfeitos. A questão é que, quando nos apaixonamos, vemos o outro só com as suas qualidades. É como se todos os defeitos desaparecessem.

No entanto, à medida que o tempo passa, e a paixão esmorece, os defeitos começam a surgir. É importante olhar o outro como um todo, com todos os seus defeitos e qualidades. 

2 – Aceite o outro como ele é

O maior erro que podemos cometer é tentar mudar o nosso parceiro. Além de ser um enorme desperdício de energia e tempo, só causa desgaste e tristeza. Quando estamos num relacionamento de verdade, temos de aceitar o outro tal como ele é.

3 – Não faça ultimatos

Fazer com que o seu parceiro tenha de escolher entre algo que gosta e você é o mesmo que pedir para que o relacionamento acabe. A liberdade de cada um deve ser mantida, independentemente de estar, ou não, num relacionamento.

4 – Seja o melhor amigo

Um(a) namorado(a), noivo(a), marido ou mulher, tem de ser sempre o(a) melhor amigo(a). É importante ouvir os problemas do outro, apoiá-lo, e respeitar as suas decisões. No que toca a assuntos de família e amigos, nunca dê a sua opinião se ela não for solicitada.

Muitas vezes queremos aconselhar, mas acabamos por criar conflitos com outros. E, verdade seja dita, nunca sabemos o que realmente se passou. Estamos a ouvir somente uma parte da história. Então, cuidado!

5 – Desenvolva empatia

Sabermo-nos colocar no lugar do outro é fundamental em vários aspectos da nossa vida, incluindo numa vida a dois. Se desenvolvermos empatia, muitas discussões podem ser evitadas facilmente.

6 – Dê liberdade

Todos nós precisamos de espaço, de liberdade. Sentirmo-nos presos a uma pessoa a alguma coisa faz-nos infelizes. Por isso, mesmo num relacionamento, devemos dar espaço para que o outro possa fazer coisas sozinho.

7 – Dedique-se ao seu parceiro

A correria do dia-a-dia muitas vezes não nos deixa com disposição para escutar o nosso parceiro, para mimá-lo, para cuidar dele. No entanto, mesmo com trabalho, filhos, casa, sempre deve dedicar-se tempo exclusivo para o nosso parceiro.

8 – Faça surpresas

A rotina pode ser desastrosa para um relacionamento. Por isso, de vez em quando, prepare uma supresa para o seu parceiro. Um jantar à luz das velas, uma noite só a dois, um fim-de-semana fora. São pequenos momentos que podem reacender a chama da paixão.

9 – Formem uma equipa

Um casal deve, acima de tudo, ser uma grande equipa. Os dois devem lutar pelos mesmos objetivos em comum. Os dois têm de trabalhar para que as coisas funcionem.

10 – Diga o que sente

A comunicação é fundamental para que um relacionamento perdure. Como tal, não deixe de dizer tudo aquilo que sente. E, claro, não se esqueça, nunca, de dizer que ama.

Superar o divórcio: Quanto tempo para voltar a ser feliz?

Quando casamos, a última coisa que pensamos é que um dia esse casamento termina. No entanto, a vida leva-nos para caminhos que não queríamos, nem esperávamos.

O divórcio não é uma decisão tomada de ânimo leve. De facto, existe uma promessa de para sempre que custa muito deixar para trás. Mas, às vezes, a vida mostra-nos que não era aquele o caminho que deveríamos seguir.

Afinal de contas, a felicidade deve sempre ser o nosso primeiro e último objectivo. Não existe outro motivo para fazermos algo. A nossa felicidade tem sempre de vir em primeiro lugar. E quando um relacionamento não nos faz felizes, a separação é a única opção.

Superar um divórcio, independentemente do motivo, nunca é fácil. Existe toda uma história em comum que teve de ser deixada no passado. É preciso olhar a vida de uma outra forma, não mais a dois, não mais na companhia de alguém que sempre esteve do nosso lado.

Não é algo que se consiga da noite para o dia. É preciso tempo para refazer todos os planos internos, até a forma como vemos a nossa própria vida. 

Se está nessa situação, então continue lendo!

Quanto tempo demoramos a superar um divórcio?

Obviamente que não existe matemática que possa determinar exactamente o tempo que demorará a ultrapassar o divórcio. Cada caso é um caso.

No entanto, alguns estudos levados a cabo pela Universidade de Binghampton, nos Estados Unidos da América, indicam que este acontecimento pode demorar entre 6 meses a 2 anos a ser superado.

Além disso, os estudos apontam que as mulheres tendem a recuperar de um divórcio mais rápido, mas que sentem um impacto emocional maior. Os homens, embora com um impacto imocional menos severo, demoram mais a superar por completo a separação.

Fases de superação do divórcio

A superação de um divórcio é um processo que passa por várias fases. Todas as pessoas que se separam passam por elas, e só depois de ultrapassadas todas as fases podemos dizer que se conseguiu superar o divórcio.

  1. Depressão e raiva – Num primeiro momento as pessoas ficam deprimidas e é comum sentirem raiva pelo parceiro. Também é normal sentir muita ansiedade por tudo o que está a acontecer.
  2. Desorientação – Depois de passada uma fase de depressão e raiva, um sentimento de medo e incerteza toma conta de nós. Sentimo-nos completamente desorientados, sem rumo.
  3. Tristeza – Quando percebemos que realmente toda uma relação se perdeu, e com ele um sentimento tão bonito que achávamos ser para sempre, sentimos uma imensa dor e tristeza.
  4. Procura por explicações – A quarta fase é marcada por uma tentativa de entender tudo aquilo que aconteceu. É normal que se tente encontrar um culpado para tudo.
  5. Assimilação – Esta é uma fase em que começamos a aceitar que a separação existiu e tende-se a romper qualquer tipo de ligação com o passado.
  6. Libertação – A última fase chega com um sentimento de liberdade completa. O divórcio foi superado e conseguimos ver que existe um futuro inteiro à nossa frente.

Se está numa situação destas, não tenha medo nem vergonha de pedir ajuda. Muitas pessoas não conseguem superar um divórcio com facilidade. O acompanhamento com um profissional qualificado pode ajudá-lo a viver esta fase mais calmamente e tranquilamente.

Coisas que arruínam uma relacionamento

Coisas que arruínam uma relacionamento

Um relacionamento tem tanto de forte como de frágil. Da mesma forma que, do nada, ele surge, também pode acabar de um momento para o outro, especialmente quando não cuidamos deles. 

Assim, para que um relacionamento seja duradouro, é preciso que ambos se esforcem e trabalhem na relação para que o sentimento não morra.

Se quer saber como manter o seu relacionamento saudável, então evite estas coisas que arruínam um relacionamento.

5 coisas que arruínam um relacionamento

Todos os relacionamentos precisam de cuidado, tal como uma flor, que precisa ser regada para desabrochar e se manter bonita. Este é um trabalho que tem de ser feito de parte a parte, por isso, quando apenas um dos cônjuges se esforça para as coisas darem certo, fica difícil suportar as crises.

Claro que este é um esforço que os dois têm de fazer, mas o resultado pode, sim, dar frutos fortes e saudáveis. Por isso mesmo, evite a todo o custo estes 5 erros que podem arruinar o seu relacionamento.

Ciúmes

Os ciúmes são uns dos grandes causadores das discussões nos casais. Quando existem ciúmes, especialmente ciúmes excessivos, acabamos por tirar a liberdade do outro, sempre com dúvidas acerca do seu comportamento.

Quando estes se encontram presentes, a relação tende a tornar-se em algo tóxico, que tira a energia de todos. Um porque está sempre na dúvida, o outro porque não se sente bem para fazer o que gosta.

Rotina

Cair na rotina é outro dos grandes erros cometidos pelos casais. Não é fácil inovar quando o nosso dia-a-dia é tão corrido. Falta vontade de fazer coisas novas. No entanto, para que um relacionamento se torne saudável e seja duradouro, é importante tentar evitar cair na rotina.

Além de provocar sentimentos negativos, como frustração e tédio, pode prejudicar seriamente a comunicação entre o casal. Ora, já sabemos o que a falta de comunicação pode causa: conflitos constantes, discussões, críticas de parte a parte.

É também comum que casais que caíram na rotina sintam solidão, mesmo estando juntos. Um sentimento que envenena qualquer relação.

Mentira

Todos sabem que a confiança é a base de todo e qualquer relacionamento. Por isso, a mentira pode arruinar por completo toda a relação. Podemos estar ao lado de uma pessoa durante 20 anos. Basta uma mentira para se colocar em causa tudo o que está para trás.

Críticas

Um relacionamento é construído à base de confiança, carinho, compreensão, repeito e tolerância, acima de qualquer outra coisa. A paixão passa, mas é o que se constrói que sobrevive. Quando vivemos com alguém, é comum surgirem certos aspectos que nos irritam, que nos deixam tristes e desanimados.

No entanto, é preciso haver tolerância para com o outro, e sempre muito respeito. Não existem duas pessoas iguais, por isso não podemos exigir que o outro pense da mesma forma que nós, e que aja da mesma forma. 

Críticas e queixas constantes ao comportamento do outro podem, de facto, arruinar por completo o relacionamento.

Infidelidade

Esta é a principal causa do término de uma relação. A infidelidade pode arruinar qualquer relação, até mesmo a mais perfeita que se conhecia. Mais do que uma mentira, mais do que cair na rotina, a infidelidade é uma punhalada nas costas e no coração também.

Esta é uma atitude que mostra que o parceiro não tem integridade, tem falta de compromisso, foi movido pelo egoísmo, sem mostrar qualquer tipo de respeito. 

Mesmo que se tente perdoar uma traição, dificilmente as coisas ficam como antes, e o fim pode estar sempre iminente.

Depressão amorosa: O que é e como evitar

A depressão amorosa é um distúrbio que surge depois de uma grande decepção num relacionamento amoroso. Essa decepção faz com que a pessoa deixe de ter vontade de estar com outras pessoas, apostar em novas relações, e até mesmo deixar de conviver com os seus amigos e familiares.

Uma pessoa que sofre de depressão amorosa deixa de ter vontade de socializar, perde interesse nas coisas que antes lhe davam prazer. Assim, a vida deixa de fazer sentido, pois nada que faça lhe dá satisfação pessoal.

Além de perderem toda a vontade de se divertirem, as pessoas com depressão amorosa vêem-se a par de pensamentos pessimistas constantes. É comum que essas pessoas vivam em constante tristeza. Elas só conseguem ver-se felizes ao lado da pessoa que os magoou e decepcionou. Por isso elas deixam de fazer planos para o futuro.

Depressão amorosa: Causas

Quando alguém projecta todos os planos pessoais e as suas expectativas futuras na pessoa amada, cria-se uma grande dependência emocional. Ora, quando existe uma decepção grande com essa pessoa, ou quando o relacionamento termina, a felicidade foge por entre os dedos.

Normalmente, este tipo de depressão é muito comum em pessoas inseguras, pois estas não conseguem dar-se o devido valor, e sempre acham que não são boas o suficiente para que outras pessoas gostem delas. Além disso, pessoas inseguras têm medo de assumir a responsabilidade pela sua própria vida e, consequentemente, pela sua felicidade.

Por isso elas projectam todas as suas expectativas noutra pessoa, colocando a responsabilidade da sua felicidade no outro.

A melhor forma de evitar a depressão amorosa não passa por não viver um grande amor, mas por amar-se a si mesmo primeiro, reconhecendo que a felicidade própria é de sua responsabilidade, e não de outro.

Afinal de contas, para sermos felizes, bastamo-nos a nós mesmos. Não podemos colocar a nossa felicidade nas mãos de ninguém, ou colocamos em causa a nossa vida.

Como superar uma depressão amorosa

Para superar uma depressão amorosa, o primeiro grande passo é mesmo valorizar-se a si mesmo. O auto-conhecimento é fundamental para que se crie um respeito próprio tal que nada, nem ninguém, poderá colocar em causa a nossa felicidade.

Outro aspecto importante é deixarmos de achar que podemos mudar tudo o que queremos. Algumas coisas, simplesmente, não dependem de nós. Não temos o controlo de tudo, muito menos de outras pessoas além de nós mesmos. 

Além disso, é importante deixar o passado para trás. Não importa de quem é a culpa. Resolver os assuntos que ficaram pendentes é importante para que consiga virar a página de uma vez e seguir em frente.

Agora, o mais importante: CUIDE DE VOCÊ MESMO! Essa é a hora de começar a olhar para si com esmero. Confie no seu valor, naquilo que você é, nas suas qualidades e talentos. Gostar de si mesmo é o primeiro passo para encontrar a verdadeira felicidade. 

Como enfrentar uma crise num relacionamento amoroso

Todos os relacionamentos amorosos passam por crises. Não existe um relacionamento amoroso sem problemas. Isso só acontece em filmes. Existem sempre momentos em que as relações se abalam, e existem vários motivos para tal.

Qualquer relação passa por altos e baixos. A vida não corre sempre como esperamos e, no que toca a relacionamentos amorosos, existem momentos que são marcados por sérios problemas que parecem não ter fim à vista.

Quando nos apaixonamos, tudo parece um mar de rosas. O amor e a paixão inicial fazem com que olhemos o outro com olhos românticos e, por isso, não conseguimos ver os defeitos do outro. No entanto, com o passar do tempo, a paixão vai-se desvanecendo, e os defeitos começam a aparecer. É aqui que se começam a notar as diferenças de interesses e personalidades, assim como as expectativas que cada um tem para o futuro, a dois, e individual.

Neste momento, é comum que os choques entre os membros do casal se intensifiquem. É normal que, perante este cenário, se “rompam” alguns padrões e rotinas que o casal tenha acordado inicialmente. É aí que surge uma crise no relacionamento amoroso.

Antes de mais nada, dizer que um casal está em crise não significa, de todo, que o relacionamento tenha chegado ao fim. O importante, nesta altura, é trabalhar para que os problemas do relacionamento se resolvam e, a partir daí, se construa um “novo” relacionamento, mais feliz e saudável.

Dicas para enfrentar uma crise no relacionamento amoroso

Para conseguir enfrentar uma crise no relacionamento amoroso, é importante que siga alguns passos importantes. Confira!

Conversem

O diálogo é fundamental para um relacionamento saudável e duradouro. Acumular mágoas e sentimentos de raiva e desconfiança não resolve o problema, antes pelo contrário. Isso só fará com que as discussões sejam, cada vez mais, frequentes e maiores.

Aceitem a responsabilidade

Num relacionamento, tudo o que acontece é da responsabilidade dos dois, nunca de um só. Por isso, é imprescindível que cada um assuma a sua parcela de culpa. Antes de apontar a culpa do seu parceiro, pense também na sua própria responsabilidade. Converse com o seu parceiro e assumam as vossas responsabilidades, encontrando um novo acordo.

Respeito

A parte fundamental de um relacionamento é o respeito mútuo. Não podemos viver num relacionamento onde não existe respeito. Por isso, é muito importante nunca faltar com o respeito, nem permitir que faltem com ele. As pessoas são diferentes. Não existem duas pessoas iguais. É importante respeitar as diferenças, mesmo que isso não vá de encontro com as nossas crenças.

Siga estes conselhos para ultrapassar e enfrentar uma crise no relacionamento amoroso. Nunca se esqueça, é sempre preferível ser feliz a ter razão!

O que fazer quando o seu filho não gosta de estudar

Um dos maiores pesadelos que os pais enfrentam é a postura negativa de um filho em relação aos estudos. Mas existe sempre uma solução para todos os problemas. Este não é uma excepção.

O seu filho protesta sempre quando o assunto é escola e estudos? Ele tem sempre algum argumento negativo? Diz-lhe sempre que o que aprende na escola não tem utilidade nenhuma? Pois bem, está na hora de agir.

Não podemos negar que a conjuntura actual não é a mais adequada para incentivar os mais novos a estudarem. Não são poucos os casos de jovens com licenciaturas que simplesmente não conseguem empregos, muito menos na sua área de estudo.

Os jovens estão cada vez mais descrentes em relação às vantagens do conhecimento. Quando se junta a este cenário o esforço que é necessário para adquirir esse conhecimento, é fácil para os jovens adotarem uma postura de desânimo e desagrado.

É verdade que a escola tem de assumir um papel activo quanto a esta questão. É urgente tornar os conteúdos escolares mais atractivos para as crianças. Mas os pais não podem, de forma alguma, delegar essa tarefa para a escola, correndo o risco de prejudicar o próprio filho para toda a vida.

O que os pais devem fazer?

O mundo actual vive numa mudança constante e rápida. Isto significa que o que hoje precisamos, podemos não precisar amanhã, e vice-versa. Nunca sabemos o que os nossos filhos vão precisar no futuro. Por isso, nenhum argumento que o seu filho possa dar deve servir para deixar que ele deixe os estudos de lado.

Independentemente da situação mundial, se existe uma coisa que nunca é demais, essa coisa é o conhecimento. Além disso, podemos perder tudo nesta vida, menos o que sabemos. Deixar isso claro aos nossos filhos é uma das melhores formas de os incentivarmos a estudar, não só o que se aprende na escola, mas outros assuntos que lhe interesse.

É importante que os pais, desde cedo, criem uma rotina de estudo nos filhos. Não devemos ser flexíveis quanto a estas tarefas. Estabelecer um horário para estudar é importante, mas cumprir esse horário é imprescindível. Quando uma criança cria o hábito de estudo, dificilmente se deixará levar pela tentação de desistir dos estudos. 

Castigos infantis: O que está certo e o que está errado?

Os castigos infantis são muito frequentes na educação das crianças. Mas será esta a melhor forma de punir um comportamento indesejável?

Antes de mais nada, é importante referir que o mau comportamento por parte da criança quase nunca é espontâneo. Ou seja, um determinado comportamento, seja ele bom, ou mau, não faz parte da genética da criança, são antes comportamentos assimilados na família. Além disso, os castigos e punições não só não corrigem, como deseducam.

Desta forma, é fundamental saber orientar a criança para que os comportamentos errados e indesejáveis não se repitam, sem que isso implique traumas ou mais problemas.

Outro aspecto importante a salientar é que uma criança não é burra e, por isso, não deve ser tratada como tal. Uma criança a partir dos 3 anos já consegue entender o que é certo e errado, e é a função dos pais informar os mais novos do que é desejado, ou não, e porquê.

Como corrigir as crianças

Tendo em conta que os castigos não são os mais adequados para a educação e correção das crianças, vejamos agora como agir.

  1. Em vez de proibir incentive. Por exemplo, em vez de dizer “não discutas com o teu irmão”, diga antes “Cuida bem do teu irmão”. Assim, incentiva e convida ao comportamento desejado, em vez de proibir o indesejado.
  2. Castigos onde se coloca a criança fechada em determinado lugar, por um período de tempo, é dos mais ineficazes, embora os mais aplicados. Além de não haver sentimento de punição, a criança tende a resistir em pouco tempo, sem que isso implique uma mudança de atitude.
  3. Os castigos mais eficazes são os positivos, em que há algo de esclarecedor e didáctico. Aqui, podemos incluir a privação de jogar no computador, ou ver televisão durante algum tempo, ou privação de brincar com os amigos. Deve sempre explicar o motivo, de forma a que se garanta o valor didáctico da privação.
  4. Nunca devemos punir, ou castigar, uma criança com as tarefas e obrigações que ela tem de cumprir por natureza, como escovar os dentes, tratar da higiene pessoal, fazer a sua cama, ou ajudar em algumas tarefas domésticas.

Mais importante ainda é dar sempre um bom exemplo. As crianças tendem a imitar os comportamentos dos pais. Desta forma, é fundamental adoptar todos os comportamentos que esperamos que os nossos filhos tenham.

5 sinais que indicam que um relacionamento tem futuro

Todos nós sonhamos em ter um relacionamento duradouro. No início, sempre achamos que é para sempre, mas com o passar do tempo começamos a colocar algumas dúvidas. 

Todos os casais passam por momentos bons, e outros menos bons. Não existe um casal em que todos os momentos sejam perfeitos. Isso só acontece em contos de fadas. No entanto, alguns sinais podem indicar se um relacionamento tem futuro, ou não.

5 sinais que indicam que o relacionamento será duradouro

Da mesma forma que existem sinais que nos indicam que um relacionamento tem o fim como destino, existem também sinais que nos indicam que determinado relacionamento tem tudo para ser duradouro. Conheça quais são!

1 – Apenas 1 em cada 6 experiências juntos é negativa

De acordo com o psicólogo Max Blumberg, é necessário que tenha seis experiências boas com o seu parceiro para cada uma negativa. Se é verdade que existem sempre problemas num relacionamento, também é verdade que os bons momentos têm sempre de ser em maior número.

Segundo ele, depois de uma discussão, são necessárias entre 3 a 4 horas para as coisas voltarem ao normal. Só aí se devem sentar para conversar e resolver os problemas.

2 – Sexualidade e carinhos

Ter uma boa sexualidade é fundamental para um relacionamento saudável. Se, depois de uma discussão, os dois conseguem resolver os problemas e ter relações sexuais, é um bom indicativo.

3 – Vontade de ficar juntos

Se tem vontade de ficar junto do seu parceiro, mesmo quando não estão a fazer nada, é um bom indicativo. Mesmo quando o silêncio predomina, se a vontade de estar perto é maior do que tudo o resto, então é sinal de que terá um relacionamento duradouro.

4 – Conversam sobre a relação

Outro bom indicativo é quando um casal discute sobre a própria relação. Relacionamentos longos devem ser discutidos a cada seis meses. É bom perguntar ao nosso parceiro o que ele sente sobre a relação, e qual a opinião sobre o estado do relacionamento.

5 – Aprovação de família e amigos

Quando a nossa família e os nossos amigos aprovam o nosso relacionamento, tudo se torna mais fácil. Isso porque, nos maus momentos, eles sempre darão uma solução para resolver os problemas. Quando não existe aprovação, o mais provável é que inflamem, ainda mais, a situação.

5 sinais de que o seu relacionamento chegou ao fim

O amor e o relacionamento tem de ser algo que nos traga felicidade. Quando nos sentimos infelizes numa relação, é um sinal claro de que está prestes a chegar ao fim.

No início do relacionamento tudo é perfeito. Romance, paixão, felicidade, vontade de estar com o outro, e admiração, são alguns sentimentos presentes quando o relacionamento está bem. Começamos a perceber que a relação está mal quando deixamos de admirar o outro. É neste momento que se dá conta que não conhece, de facto, a pessoa por quem se apaixonou.

É provável que se sinta sozinho e incompreendido pelo seu parceiro.

Obviamente que todos os relacionamentos tem problemas. Todos os casais passam por momentos de crise, os quais podem ser ultrapassados quando existe respeito e admiração por ambas as partes.

5 sinais de que o relacionamento acabou

Para podermos perceber claramente se o nosso relacionamento tem futuro, ou não, vamos prestar atenção a estes 5 sinais que nos dão conta do fim de um relacionamento.

Falta de sintonia

Muitas vezes o casal afasta-se, de tal forma, que caminham em lados opostos e não mais lado a lado. Não há sintonia com o parceiro e a sensação é de que está a remar para um lado, e o seu parceiro para o outro.

Dificuldades de comunicação

Um casal cuja relação chegou ao fim, não só, tem dificuldades em comunicar-se, como também não tem, sequer, vontade de tentar conversar ou ouvir o que o outro tem para dizer.

Falta de planos

No início do relacionamento todos os planos eram feitos a 2. No entanto, um relacionamento cujo fim está próximo deixa de ter objectivos em comum, passando a serem individuais.

Só vê aspectos negativos no parceiro

Se só consegue ver aspectos negativos no seu parceiro, é porque a relação não tem mais como dar certo. São precisamente as qualidades do outro que nos fazem querer estar perto e partilhar a nossa vida com ele.

Falta de admiração

Admiração é o ponto principal para manter uma relação a dois. Olhar para o nosso parceiro e ter razões para admirá-lo é fundamental para olhá-lo com uma perspectiva positiva. Quando deixamos de admirar o nosso parceiro, ou quando deixamos de ser admirados, deixamos de ter aquilo que é necessário para alimentar o relacionamento.

Estes são os sinais de que o relacionamento acabou. Se está a vivenciar tudo isto, páre e pense o que quer, de facto, para a sua vida.

Dicas para ajudar o seu filho a enfrentar pressão do grupo

A pressão do grupo de amigos pode causar sérios problemas para crianças e adolescentes. Tendo em conta que esta é uma realidade, é importante que os pais estejam atentos para ajudarem os filhos a enfrentar a pressão do grupo.

A pressão do grupo de amigos tem uma influência enorme em vários aspectos da vida de crianças e adolescentes, desde a forma de se vestir, ao próprio comportamento para com os outros. Além disso, pode influenciar o seu filho a acções que podem prejudicá-lo, como o uso de drogas, álcool, entre outros.

Por ter uma grande implicação na vida dos nossos filhos, actualmente existe uma grande preocupação dos pais para com este tipo de pressão.

Apesar da pressão do grupo ser muito forte, a educação que damos aos nossos filhos em casa é fundamental para ajudá-lo a lidar com este tipo de situações. É dever dos pais orientar e guiar os seus filhos durante os primeiros anos da sua vida, de forma a que ele possa tomar as melhores decisões enquanto ser individual.

O que é a pressão do grupo e como funciona

Existe este tipo de pressão em todos os aspectos da nossa vida, desde a escola ,ao nosso local de trabalho e grupo de amigos. Podemos perceber que a pressão do grupo existe constantemente, até pela sociedade em geral, para que nos comportemos da forma que é aceita.

Quando falamos em crianças e adolescentes, é importante ter em conta que eles são muito mais influenciáveis e, por isso, devemos ter atenção para as pressões negativas que o grupo de colegas e amigos da escola fazem, ou podem fazer.

Geralmente, os grupos da escola são liderados por aqueles mais populares, os quais tendem a dominar os outros. Para que se entre num grupo, é normal que o novo membro passe por vários testes, os quais podem incluir forma de vestir, interesses, forma de falar, partido político, entre muitos outros requisitos.

O que preocupa neste tipo de grupo é que, apesar de serem compostos por várias pessoas, as acções que eles tomam em conjunto, normalmente, são decididos por apenas uma pessoa – o líder.

Como ajudar o seu filho a lidar com a pressão do grupo

Apesar da infância ser uma idade complicada, pois a criança começa agora a sua vida social, é a adolescência que se mostra mais preocupante. É na adolescência que ele se está a descobrir como pessoa, que começa a perceber quais são as suas habilidades, o que quer para a sua vida, mas também é a altura em que ele descobre que tem determinadas responsabilidades. Por tudo isto, é comum que os pais tenham dificuldade em comunicar-se com o filho adolescente.

Muito embora reconheçamos que seja difícil, é fundamental que os pais estabeleçam uma comunicação franca e sincera, assim como aumentar a relação de confiança um no outro.

Desta forma saberá exactamente a pressão que o grupo onde seu filho se encontra inserido faz, a qual pode ser negativa ou positiva. Por isso é importante que deixe claro ao seu filho aquilo que é bom e mau, até onde pode ir, e de onde não pode passar.

Para concluir, os pais devem sempre ser os melhores amigos dos seus filhos para que eles cresçam saudáveis e felizes.