SONARTE – Feira ao 24 de Fevereiro

Dia 24 de Fevereiro de 2019 realiza-se em Luanda uma feira de Arte denominada: SONARTE
Uma feira com verdadeiros descobrimentos!
Artistas talentosos escondidos na Sonangol serão revelados.

Estarão à disposição dos visitantes no largo em frente a antiga Livraria Lelli vários ítens interessantes, desde livros, discos e peças de artesanato belamente produzidas por artistas da SONANGOL.

COMPAREÇA!
AFINAL, TODOS AMAMOS A ARTE!

Primeiro Curso Pré Congresso de Psicologia Clínica (Passado)

Primeiro Curso Pré Congresso de Psicologia clínica por: Dra. Júlia dos Santos.

O curso pré-congresso Stress, Doença e Saúde Mental é uma formação na área do desenvolvimento pessoal e profissional, que visa habilitar os profissionais de saúde, muitas vezes submetidos a ambientes de trabalho extremamente stressantes, a compreenderem os mecanismos do stress, a avaliar e modificar o seu modo pessoal e profissional de dar resposta aos desafios do quotidiano e a aplicarem as técnicas de redução da tensão nervosa e de programação positiva para alcançar a excelência.

A formação, coordenada pela Dra. Júlia Santos, abordou diversos temas relacionados com o stress, assim como os seus fundamentos essenciais e formas como se manifesta, os tipos e os sinais de stress, a relação entre a doença e o stress, personalidades mais vulneráveis a esta condição, como evitar o burnout e como montar um programa de gestão de stress. Dirigiu-se a profissionais de saúde que actuavam na área da gestão de pessoas, psicólogos, médicos, enfermeiros, e estudantes que desejem trabalhar, de forma prática, o próprio stress.

Os formandos foram equipados de ferramentas que possibilitem mapear as principais fontes de stress nas suas vidas e avaliar a reacção ao stress em cinco dimensões (profissional, familiar, ambiental, relacional e emocional). Numa vertente prática, ajudou-se os participantes a melhorar as habilidades de gestão do stress. No final do curso, os formandos estiveram aptos a lidar melhor com as pressões e os desafios do ambiente; a adoptar hábitos e comportamentos mais úteis em diversos contextos; a viver e trabalhar em harmonia com as pessoas ao seu redor; a criar estados mentais positivos; e a controlar o stress.

A equipa de formadores esteve constituida pela Drª Júlia dos Santos, Drª Vera Ernesto e Drº José Maria de Carvalho. Esta formação decorreu no dia 24 de Outubro de 2018 e teve a duração de oito horas.

Porque estamos sempre mal-humorados

“Podemos sempre tentar buscar a causa do nosso mau humor e mudar os nossos pensamentos e sentimentos adoptando uma forma mais positivista de estar, sentir e pensar.”

Encontrar pessoas maldispostas tem sido cada vez mais frequente. Vamos a repartições, restaurantes, bancos, hospitais, escolas, lojas, e vemos caras indispostas sem sequer fazermos algo mal, cumprimentamos e não nos respondem, saímos, e do outro lado verificamos indisposição. Ficamos sensíveis até pelo simples derramar do leite do nosso(a) filho (a)!…

Porque estamos sempre mal-humorados? Será o mau humor um problema do mundo moderno? O nosso ânimo está sempre a flutuar durante o dia, em função das situações que experimentamos e reflecte vivências em casa, no trabalho e mesmo com a família.

Pesquisas têm revelado que este factor que incomoda os outros pode causar vários danos ao nosso corpo, ameaçar o nosso bem-estar e fazer com que o cérebro se desorganize, libertando a famosa hormona responsável pelo aumento do stress. Esta hormona, para que o leitor tenha noção, é responsável pelo aumento da tensão arterial, da respiração ofegante e dos batimentos acelerados do coração. Isto é stress negativo! Então, será que vale a pena reagirmos de forma mal-humorada no trânsito? Com os filhos? Ou porque somos obrigados a aturar alguém que nos desagrada?

Parece oportuno referir a pesquisa feita pela Internacional Stress Management Association (ISMA-BR), entidade voltada para o estudo e gestão do stress, que demonstrou que 85% dos indivíduos mal-humorados apresentam bruxismo (ranger os dentes durante o sono e que está relacionado com níveis altos de stress), 12% são hipertensos, 42% não têm boa qualidade de sono e 68% apresentam dificuldade de concentração.

Será que não é uma mais-valia sermos bem-humorados? É compreensível que o dia-a-dia facilite este sentimento? Porque não aprender a geri-lo da melhor forma? Você pode tentar sempre adoptar medidas preventivas, tais como a gestão da sua agenda (para evitar atrasos e contratempos). É difícil, mas possível.

Questionar se, de facto, temos ganhos com esta forma de estar e, acima de tudo, incluir na nossa vida actividades que nos dão mais prazer (alimentação saudável, exercício físico, horas de sono suficientes, ter um bom relacionamento, valorizarmo-nos) é imperioso.

Também podemos analisar a causa do nosso mau humor e mudar os nossos pensamentos e sentimentos, adoptando uma forma mais positiva de estar, sentir e pensar.

Devemos ter sempre em conta que a nossa “irritabilidade não solucionará problema algum e muito menos modificará a nossa vida… de forma positiva. Por isso não vale a pena estragarmos o nosso dia”. (Chico Xavier).

Ser feliz não é uma questão de sorte, mas sim uma batalha. Elimine da sua vida todas as coisas que lhe fazem mal! E o mau humor, sem dúvida, é uma delas!